Ainda pode falar do finde?

Eu e meu namorado costumamos dizer que vivemos para o fim de semana. E quem não vive? Ainda mais no nosso caso, em que só temos de sexta a domingo para ficarmos juntos. Então, mesmo já sendo terça-feira, ainda dá pra falar do fim de semana passado, né?

O namorado comprou uma bicicleta semin0va no Balcão e estava louco para estrear. Pegamos o carro, enfiamos a bicicleta e fomos para o Recreio. Aproveitamos o fim de tarde sem sol (mas com calor!) e demos boas pedaladas. Eu, particularmente, adoro o ventinho no rosto, adoro admirar a paisagem e pedalar, pedalar…

.

.

.

.

O namorado apreciando suas belezinhas…

.

.

e apreciando a paisagem.

.

A subida para a Prainha foi difícil. Minha bicicleta não tem marchas e minhas pernas não tem forças. Precisei descer e empurrar (shame on me)

..

… mas a Prainha vale todo o esforço.

***

Aliás…

Eu andei muuuito de bicicleta durante a adolescência. Tive a sorte de morar perto de basicamente tudo: da escola, do inglês, da academia… Então fazia tudo de bike. Primeiro tive um modelo que o pessoal do colégio chamava de “bicicleta de leiteiro”, que era da minha mãe, rosa e com cestinha na frente, um modelo bem clássico e que hoje seria considerado vintage. Como a maioria das minhas coisas tinha nome, o dela era Tina. Depois que essa virou ferro velho, comprei uma de alumínio, o Caju, e andei horrores: ultrapassava os sinais vermelhos, fazia curva fechada junto com carro, xingava e era xingada no trânsito. Lembro que os pais do João (nessa época já namorávamos) ficavam tensos. Depois que fui assaltada e me levaram o Caju, comprei uma bem baratinha, dessa vez sem nome. Acho que até dei nome, mas esqueci. A bicicleta hoje é do meu irmão mais novo, que de vez em quando dá umas voltas.

O fato é que nunca morei perto da praia, mas sempre andei de bicicleta. Confesso que andar no meio dos carros era mais um incentivo – junto com o ventinho no rosto – e eu adorava aquilo tudo. Chegava suada no curso, já aquecida na academia, era engraçado. Mas acho que ficaria com o coração na mão se um filho meu fizesse o mesmo. Imagina!

Por isso que acredito que as bicicletas deveriam ser levadas mais a sério. E quando digo isso, é pq acredito que as bikes são meio de transporte, e não apenas um veículo de lazer. É importante que a estrutura de urbanismo das cidades considere o espaço necessário a elas. Porque na Zona Norte não tem ciclovia. Na Zona Norte, rapá, é o Deus-nos-acuda.

Advertisements

22 thoughts on “Ainda pode falar do finde?

  1. Maíra dos Anjos says:

    ESTOU DOIDAAA MAS DOIIIIIIDA PRA COMPRAR MINHA BICICLETA…
    Meu caso sério comprou uma tooooooooda equipada… e ta toooodo empolgado.. Vou comprar a minha e quero cestinho rosa na frente, MESMO TENDO 19 ANOS. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    BEIJOS

    ps: adorei a blusa.Que estampa mais linda e cool! Da onde é?

  2. ana - hoje vou assim off says:

    Na Europa – no verão – fazem TUDO de bicicleta. De crianças a vovôs, todos andam de bike. Eu não tenho carro por opção e confesso que na zona norte me sinto desmotivada a andar de bike, simplesmente pq não tem como. Pq o privilégio de uma ciclovia é só de quem mora na zona sul? Pensemos.

  3. Catarina says:

    Confesso que não sou muito de andar bicicleta, nunca fui! Sei andar, mas morro de medo. Já caí muitas vezes e não foi bonito, deve ser disso! Mas apoio e muito o uso da bicicleta como meio de transporte. Aqui em Maputo há MUITOS carros, o trânsito é horrível, tudo congestiona. E a bicicleta seria uma solução mais que perfeita para essa confusão toda. Infelizmente a cidade não tem infraestruturas para se andar de bicicleta nem as pessoas andam muito…vê-se muito mais nas zonas rurais, onde ter bicicleta é mais que necessidade, sendo que ela serve também como ambulância. Sério! Um dia conto-te a história do menino que levou uma chifrada de um bode, ficou com as tripas de fora e nada de ir para o hospital porque a bicicleta estava longe!!

  4. Loli says:

    Eu não ando de bicicleta tem mais de 10 anos, espero que aquela história de que nunca se esquece seja verdade. Eu adoraaaaava andar.. na minha infância até a pré-adolescência eu sempre andava, morava em condomínios maiores que tinha espaço… na rua eu nunca andei não. Depois que fiquei mais velha e me mudei pra um condomínio com área de lazer menor, parei… chuif. Mas tenho esperança de voltar no futuro.
    O mesmo pros patins, adoraaaaava, e parei na mesma época.

  5. Loli says:

    Ah sim, eu fazia misérias com a bicicleta, tipo andar de pé em um dos pedais somente (os dois pés sobre um), descendo ladeira… hahaha. Imagina se desequilibra e cai pra trás!
    nunca tive nenhuma queda!!

  6. Mirian Soaress says:

    Tenho certo trauma com bicicleta. Andei muito quando criança, mas, só. Desde que levei uma queda na frente de um monte de homens e de um cara que gostava de mim quando adolescente, que não andei mais. Foi muito mico.
    Mas, quanto a seu último parágrafo, concordo demais, Fê. Aqui em São Luís, infelizmente as ruas não são projetadas para bicicletas, o que é uma mega sacanagem com a população de baixa renada que tem a bicicleta como seu principal meio de transporte.
    Amei a sua blusa.
    Bjokas

  7. anna says:

    Bicicleta é tudo de bom, e ciclovia não devia ser privilégio de europeu ou da zona azul !
    Eu tinha muitas Caloi Ceci velhas na casa da minha vó, eram um verdadeiro bagaço, mas eu nunca quis ter as bikes fodas com muitas marchas, e se hoje a caloi ceci “de leiteiro” é vintage, melhor ainda, hehe ! Eu tive rosa, azul e até uma que tinha faróis que acendiam quando pedalava, um luxo !

    Bjão

  8. kate says:

    Amora!

    Vi seu coment lá no blog só hoje. Entaaaao, eu vi uma foto sua pirralha na frente do rockefeller center no post sobre cabelos (sou leitora assidua, né brinquedo não). Eu morro por NY, toda vez que bate a depre, boto o cartão pra chorar no meu lugar e pulo pra la. Só que tem que pagar depois né gata? Pelo menos eu troco de problema, as noites posteriores sem dormir são de preocupação em como pagar o cartão kakakakakakhuahauhauhauha

  9. Carol D. says:

    Gata, que delícia de fim de semana. Eu sou muito mais sedentária hahahaha

    Eu concordo com vc, bicicleta é o futuro. Pena que pra mim complica pq é um subidão até em casa e não gosto de chegar fedidinha no trabalho hehehehe

    Bjosssss

  10. Luciana says:

    Não só pode, como DEVE! rsrsrsrs
    Recordar é viver…
    Bjks,

    Luciana
    http://www.bazardaslulitas.blogspot.com

    “A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, no corpo que carrega, ou na forma que ela arruma o cabelo.
    A beleza de uma mulher deve ser vista pelos seus olhos, porque essa é a entrada para o seu coração, o lugar onde o amor mora.”

  11. Yasmin says:

    andar de bicicleta é uma das coisas de q mais gosto, quase todo domingo já vou nela até o aterro com meu irmão.. é divertido, exercita e ainda é um meio de transporte.. uma maravilha ^^

  12. Fernnandah Oliveira says:

    Ai Nanda, fez lembrar também minha adolescência quando sumia pelo mundo desbravando com minha bicicleta e deixando minha mãe enlouquecida quando eu chegava bem tarde em casa. É verdade que o esporro comia e o chinelo/cinto cantava muito, mas era muito divertido sair assim, sem lenço e sem doucmento só de bike.

    beijos!

  13. Ana Carolina says:

    Eu amo andar de bicicleta até hoje!
    Lembro que saía pro IAPI da Penha (É Zona Norte rapá, como vc diz), e ficava andando em circulos. Tinha dias que inventava historinhas, tipo, que eu era uma princesa que ia descobrir o mundo, ou então parava na barbearia do meu tio-avô que me dava balas de graça. Chegava em casa com as pernas doendo mas amava.
    O que mata é chegar no Recreio. Mas é bem mais tranquila que a minha praia (olha a possessividade) em Copa, q fica na area mais tranquilinha.
    AAi,que saudade da praia.rsrsrsrsrs
    Beijinhos Fê

  14. Milla says:

    Cara, que coincidência!!! Comprei uma bcicleta no sábado passado!!! Ainda não andei, falta comprar o cadeado, mas a idéia é ser meu meio de transporte em Nikiti (Niterói), onde as distâncias são curtas e dá tranquilamente para fazer tudo de bike. E com a vantagem de fugir do trânsito caótico, queimar umas calorias e economizar um dindin…
    A minha é uma Caloi ventura com cestinha na frente!

  15. Juliana Machay says:

    O marido disse que vai comprar uma bicicleta quando mudarmos para o apê novo, pra facilitar quando for comprar o pão, a coca cola, o jornal… Mas é o que vc disse, aqui na zona norte é tudo difícil de bicicleta, ninguem respeita. Tem a Av. Oliveira Belo(já ouviu falar?) aqui pertinho, é projetada pra isso, mas tem que chegar lá, e aí começam os riscos.
    No projeto da transcarioca existe uma previsão para ciclovia, esperemos…

  16. MArcela de Vasconcellos says:

    Shame on me…. total!!!!

    Quando era pequena e “aprendi” a andar de bicicleta só dava a voltinha em frente ao portão de casa. Nada de descer morro, atravessar o bairro…Deus me livre.

    Dizemq ue isso é coisa que não se esquece, ams duvido que eu consiga subir em uma bicha dessas nos dias de hoje.

    Pode considerar o teletransporte como o transporte do futuro???

    bju

  17. Haynna says:

    Eu me lembro da bicicleta de leiteiro!! Muito estilosa. Nem me lembrava que vc tinha se rendido à modernidade e comprado uma de alumínio. Que vergonha.. tsc, tsc, tsc..

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s