Um fim de semana qualquer

Eu e o João estamos considerando fortemente a possibilidade de nos tornarmos sócios de um clube. O calor está chegando, nós não temos carro e seria bom ter uma piscina para refrescar. Além disso, perto da nossa casa tem um clube bem grande com uma série de atividades bacanas. Como eu não aguento mais academia (depois de dois meses estou desistindo e ficando só com o futiba uma ou duas vezes por semana) e estou cada vez mais gorda, pode ser uma boa. Apesar do preço absurdo do título – quase um título de nobreza, meu Deus! – estamos bastante inclinados a fechar.

Nesse fim de semana, estava fazendo um sol gostoso e fomos conhecer as dependências do clube – acabou não dando certo, a secretaria estava fechada – e depois almoçar. Eu fui assim:

;

Acho que essa é a única foto em que meus pés aparecem. João os cortou em todas! ahahahuaha

.

Pausa para falar sobre uma questão muito importante:

Você tem black? Tem cabelo crespo? Cacheado? Então vai saber do que eu vou falar: como usar chapéus?? Assim, uma vez, há um tempão, quando a Taís Araújo tinha black e apresentava o Superbonita, lembro que ela fez um programa sobre chapéus. E, em um determinado momento, ela prova os chapéus e fica linda, com os cachos saindo e adornando o rosto. (não encontrei o vídeo do programa!).

Daí que eu saí me achando a Taís Araújo, e voltei me achando o Bozo.

.

.

;

.

Acho que o melhor jeito para usar chapéu ainda é com o cabelo preso em um rabo… e vocês?

.

Beijos e bom finde!

.

Saia Opção (era um vestido). Cinto feito pela mãe de uma amiga. Tshirt Zara. Bolsa comprada na Feira de San Telmo, em Buenos Aires. Chapéu do Saara. Sandálias Imporium.

Uma peça, um milhão de combinações

Outro dia eu estava pensando se não incentivo muito o consumo por aqui. Sim, o nome do blog diz muito, mas eu mesma não mostro metade do que eu compro aqui. Quer dizer, não mostro de uma vez, vou mostrando aos pouquinhos e tal. Mas é pq eu compro demais, e acho que isso não é certo. Por isso, quero fazer um esforço maior pra usar (muito!) as peças que tenho, vender (ou dar) as que não uso e tentar comprar menos. Acho que é um exercício que vale pra todo mundo. Assim, inspirada na Mel, que sempre compõe looks diferentes usando a mesma peça, mostro para vocês 3 looks que usei com o mesmo colete, comprado na liqui de verão da Maria Filó:

.

.

Esse colete eu já tava namorando desde que apareceu lá no blog da Maria Filó, mas o precinho não ajudava. Quando entrou pra liqui, o preço caiu pra metade. Não resisti e comprei. Vocês sabem que eu adoro peças estampadas, e estou especialmente apaixonada pelos tons de rosa, laranja, goiaba e manga rosa (as misturas de laranja com rosa, sabe?). E o corte do colete lembra uma perfecto, com o zíper meio inclinado. Amei tanto que, basta lavar que eu quero usar o bichinho de novo.

.

Look 1:

.

.

Usei ontem, para sair com a minha amiga Manu passear no shopping (não comprei nada!) e tomar um chopp. Saí toda de laranja e resolvi ousar usando dois statement juntos:

.

Vestido Lucidez, Colete Maria Filó, Colar azul Zara, Colar de metal Renner

.

Look 2:

.

.

Esse look eu usei em um dia de sábado para trabalhar e depois ir ao cinema com o namorado. Como o cinema era na Barra, em uma sessão super cedo (tava louca para ver O Garoto de Liverpool) demos uma esticada e fomos tomar uma água de côco na praia. Delícia!

.

.

.

Acreditam que eu já tenho essa saia há anos, mas nunca tinha usado! Talvez pelo fato dela ser muito fina e branca (= transparente, preciso colocar com uma anágua embaixo). Estou pensando em tingi-la de preto, acho que vou usar mais.

Saia sem marca, blusinha idem. Colete Maria Filó, Sandália Imporium, Colar ferdy e Anel Josefina Rosacor.

.

Look 3 (meu preferido):

.

.

O colete tem umas gotinhas, o vestido tem coraçõezinhos. Achei que ficou lindo. Usei para um encontrinho na casa de amigos no fim de semana.

.

Vestido Checklist. Colete Maria Filó. Sandálias Santa Lolla.

.

Eu já tenho um look preferido. E vocês?

.

P.S.: Pra quem quer um coletinho por apenas R$ 30, tem duas opções bacanudas lá no Pechincha. Corre!

O Drama dos sapatos bonitos

Eu tenho um pé problemático. Tal qual os da minha mãe, meus pés suam horrores no calor, tem um formato chato (não poderia servir no Exército, vejam só), é todo veiúdo e, promete, no futuro, um joanete – exatamente como o da minha mãe. Assim, tenho problemas com solados lisos demais, sapatos de plástico (Melissa pra mim é uma outra realidade), saltos muito altos, solados duros, chinelinhos de tiras muito finas. A verdade é que eu só deveria usar sapatilhas. Mas é claro que eu não faço isso.

Eu vivo me apaixonando por sapatos lindos. E vivo cometendo erros. Tenho pares que carrego na bolsa e na esquina do trabalho é que coloco no pé. Tenho pares maiores do que deveriam. E menores. Já fui convencida por todo tipo de belezinha colorida, com lacinhos, estampadinha… e praticamente nenhum sapato preto simples.

Então dia desses fui na Imporium trocar um presentinho que tinha ganhado da marca. E me apaixonei por tudo. Na troca, paguei a diferença e levei uma sapatilha navy que é um absurdo de linda, uma coisa meio tenista, meio francesa, meio saia-rodada-com-blusinha-polo, que me fez enterrar de vez o preconceito com sapatos brancos. Inclusive já usei a gracinha nesse look aqui. No impulso levei também uma sapatilha preta com nude e tachinhas, que é praticamente uma meia, eu falei que fui feita para usar sapatilhas, né? Recomendo fortemente os dois modelos.
.


,

Mas aí veio esse sapatinho boneca. Salto quadrado, verniz, é um bom calçado para estar sempre bonitinha no trabalho mesmo nas situações de risco (1. unhas não feitas; 2. chuva surpresa). Eu estava de meia calça no dia, a forma era grande, comprei o 37. Oi, meu nome é Fernanda e eu calço 38.

Agora estou aqui com esse par de sapatos lindos que infelizmente aperta o meu dedão. O dedão esquerdo. Eu precisava de um 37,5 se esse número existisse por aqui. E de fato a razão teria me feito rejeitar o sapatinho, já que o 38 ficou grande. Mas a razão não existe quando você está face a face com um sapato lindo que é TRICOLOR e tem um lacinho no calcanhar. E tem dourado. E tem o salto turquesa. E hoje é o sapato mais lindo que eu tenho no armário.

;

Então esses dias eu saí de casa com um allstar e troquei de sapato no botequim mais próximo do trabalho, beijos.

P.S.: Não é que existe uma esperança, minhas caras leitoras? A Imporium tem uma forma industrial em todas as suas lojas. Já estou imaginando uma maquinaria meio medieval que vai alargar o meu sapato. YAY! Falei com a mocinha no telefone e ela me disse que basta deixar o sapato na loja por uma tarde ou de um dia para o outro. *Alegria!*

.

UPDATE: Fiquei com medo da forma estragar meus sapatinhos, sabe? Medo de ficarem todos desbeiçados. Então resolvi vender. Ai, que dó.

Não, eu não me canso

É que o navy me conquista pelo fato de transformar peças totalmente simples em uma composição lúdica.

Digo lúdica pq, mesmo quem não sabe o que é navy sente que tem uma unidade no visual, sabe? Olha e vê que você pensou nos detalhes… e nesse dia eu pensei nos detalhes:

.

.

A calça é de um azul marinho super fechado, quase preto. Aliás, preciso fazer um post sobre calças sociais, que eu particularmente detesto, mas aprendi a conviver. E essa, especificamente, é a minha melhor calça social, e eu só tenho que agradecer à Fêzinha por isso. Sim, pq ela me disse pra investir numa calça da Zara quando estive em São Paulo, mas na época nenhum modelo me vestiu bem. No entanto, mantive o conselho da amiga em mente e voltei na loja mês passado.

Para mim essa calça é perfeita porque valoriza o meu corpo: tenho coxas grossas, então não é tudo que veste bem. Ela fica certa sem ficar justa. Acho isso fundamental numa calça social – pq, alô meu povo do escritório, social não era pra ser algo elegante? – não marcar a buzanfs. Vamos combinar que no trabalho prefiro que avaliem o meu rendimento, o meu compromisso e outros aspectos, digamos, mais sérios que o tamanho da minha bunda. Grata.

Voltemos ao look:

.

e ainda é cintura alta! Amei!

Calça e Tshirt Zara. Cinto Soulier. Sapatilha Imporium. Bolsa comprada em Recife. Lenço da gaveta da minha mãe.

Saia longa: dá pra ser elegante?

Durante a minha adolescência, vivi vários estilos: fui patricinha (mas não muito; usava o que estivesse na moda e tal); grunge (esse período durou bastante) e meio hippie. Nesse último, usava saias longas, geralmente acompanhadas de sandálias rasteiras e cabelão solto (até onde desse, claro). Cheguei a encontrar uma saia linda, com uma borboleta enorme estampada, em um baú da minha mãe (da época de solteira dela) e lembro que foi um dos modelos que mais usei.

Esse estilo ripongo geralmente era usado em dias de mais calor (era rata daquelas lojinhas indianas do Saara). Nos dias de frio eu virava uma sacerdotisa (estava lendo As Brumas de Avalon na época, favor relevar), e colocava saião, botas, uma malha de pontos abertos por cima e colares de crucifixos. Era nesses dias que eu me sentia mais linda.

.

Eu com 16 anos (com minha prima e minha avó)

.

Com o tempo e a idade, eu confesso que fui deixando de lado o saião. Não que eu ache feio ou algo do tipo, mas simplesmente achava que o estilo já não me cabia tão bem, pq eu mesma mudei.

Mas outro dia eu estava dando uma organizada no armário e encontrei essa saia linda. Fininha, no comprimento perfeito (adoro como ela quase encosta no chão, sem de fato arrastar a barra), e com essa estampa maravilhosa, que passa a impressão de que estou com as pernas pegando fogo. Mas o meu desafio foi: como conseguir usar a saia sem lembrar meus antigos looks ripongos ou “esotéricos”? Como usar a saia longa no ambiente de trabalho, sem parecer que sou uma louca viciada em horóscopo, entorpecida por incenso e moradora de uma casa com 45 gatos? (nada contra quem gosta de horóscopo/incenso/gatos, mas vocês entenderam o que eu quis dizer)

Simples: me inspirei em looks que já tinha visto por aí. Já estavam salvos em uma pastinha, e reuni os melhores para vocês se inspirarem também:

.

.

Percebam que as saias são bem fluidas (talvez pq um modelo estruturado e longo fique pesado demais) e de cores sóbrias. No caso do modelo estampado (lindo o animal print, não?), a menina combinou com acessórios mais escuros. E por falar neles, os acessórios aparecem marcantes, alguns até pesadões (veja o sandálião de uma das gêmeas Olsen não identificada na montagem do Who What Wear) – a ideia é fugir do colar de madeira, do anel de côco e dos brincos de miçangas, por favor.

Levando (alguns) desses detalhes em consideração, meu look ficou assim:

.

.

Saia e bata Totem. Bolsa comprada em Recife. Sapatilha Imporium. Cinto Ferdy. Colares Cupcake e Paula Velloso.

E aí, o que você acharam? Quem mais curte saias longas por aí?

Ventinho sudoeste

Sabe quando, no meio do dia, o tempo fecha, parece que já está anoitecendo e as nuvens cinza são arrastadas por um ventinho gostoso?

É a frente fria chegando. Eu adoro.

É que eu adoro chuva, e fiquei superfeliz quando, no meio da semana passada, senti um ventinho batendo. Oba.

.

.

.

.

.

.

Blusa com aplicações em renda Lucidez. Saia Totem. Sapatilha Imporium. Gatinhos do acervo da produção.

Bringing navy to a whole new level

Eu sei que vocês já estão cansadas. Eu sei.

Eu bem sei que vocês devem estar achando que eu enlouqueci. Ou que, num surto de loucura, queimei todas as roupas do armário e só deixei as blusas listradas. E as peças brancas. E as azuis. E os sapatinhos vermelhos.

Mas é que eu não estou conseguindo mais amar outro estilo que não seja o navy. E quando me lembrei dessa blusa da minha mãe (que ela não usava há séculos), não teve jeito, eu peguei, eu me apoderei, agora não tem mais volta.

.

;

;

.

.

Parece loucura, eu sei. Mas aí tive uma ideia.

.

Que tal uma coleção navy para ferdy? Acessórios fofos para meninas que, como eu, também estão loucas por tudo o que é listrado?

Quero saber a opinião de vocês… Já estou imaginando várias pecinhas!

.

Sapatos Imporium

.

Colar Accessorize

Tiradentes, Imporium e a importância das blogueiras

Então, né. Tirei os cisos na sexta-feira.  A cada marretada de dor, enquanto pedia mais um shot de anestésico e rezava pra baba não escorrer além dos limites da dignidade, eu só pensava numa coisa: nada mudou de Tiradentes pra cá. Nada. Esse negócio de odonto, de instrumentos prateados e reluzentes só tem um nome: ba-le-la. Na hora do vamos ver, desde Joaquim José da Silva Xavier o método é o mesmo: pá de pedreiro, broca e pé de cabra. O horror, oh, o horror.

.

Cadê o laser?

.

Então, cos dentche tudo podre mesmo, toda trabalhada no ponto-cruz dentro da boca, eu fui a um casamento e a um encontrinho. No casamento, joguei o cabelo de ladinho pra face inchada e parti pra jogo:

Oi, não sei passar sombra. Beijos.

.

E no encontrinho, parti pros sorrisos meio tortos – desculpe, estou com a boca remendada – mas chupei uns brigadeiros, tomei suquinho e fiz uma das coisas que mais gosto: confraternizar! Foi o encontrinho da Imporium – coleção Outono/Inverno 2010, e foi mó legal encontrar azamiga de sempre, azamiga nova. Isso sem contar com os sapatchinhos que a Shopaholic aqui quis comprar pagando 5 vezes no cartão, com entrada em cheque e serviços prestados à loja (bora varrer o chão pra pagar as compras?). Pena que não tinha praticamente NADA do meu número. Sério. Malzaê, Imporium, mas mil blogueiras indahouse e vocês não tem nada 37? Aí não pode. (Se Deus existe, ele estava ali do meu lado, protegendo o meu cartão.).

Simbora pros highlights do eventchinho?

.

Bolsinhas maravilhosas que quero djá.

.

Bel, do Louboutin Girls, e Annina, do Não Sou Sofisticada

.

 

Coturno maaaara que olhou pra mim, piscou, mas mandou avisar que não é meu número.

.

 

Robert é loosho e ryqueza, gente. Lindo! Adorei te conhecer!!!!

.

Esse oxford ocupa um lugar especial no meu coração. Maravilhoso.

,

Esse é pra quem pode mesmo: altíssimo e R$ 279. Esse tinha meu número… mas acho que nunca usaria! Falta poder!. Snif!

.

 

Azamiga trabalhada no prosecco e no suor

.

Nat do Modernyces e Nat do Porcinas (morri com essa faixa, quero hoje!)

.

Olha a Lia do Just Lia, Brasiiiiil! Chorei pequenos rostinhos de Hello Kitty!

.

Achei muito bacana a iniciativa da Imporium de reunir tantas meninas assim. Foi bem bacana, deu pra ver os sapatchinhos – no meu caso, só não deu pra comprar mesmo – e conhecer um monte de gente. Por isso, queria agradecer ao meu pai e ao Brasil a Imporium e ao Modices, que organizou o eventinho, e a todas as participantes que compareceram, phyníssimas, mesmo num calor from Senegal. Foi show!

Hoje, segunda-feira, ainda pensando no encontrinho, dei de cara com a linda coleção da Intuitif em homenagem às blogueiras. Não é o máximo? Acho que, aos poucos as marcas vão reconhecendo a gente como formadoras de opinião. Nós, blogueiras, falamos para um público seleto, é verdade, mas muito fiel. Conheci várias meninas nesse um ano de blog (meu Deeeeeus, fiz nada pra comemorar!!), e a galera é muito gente boa, critica mesmo, pergunta, elogia, e fala o que pensa. E, sempre que possível, eu tento ouvir, e sinto bastante orgulho se represento alguma dessas pessoas. Sim, pq a Lilian Pacce não me representa, néam? Me sinto muito mais espelhada em meninas assim como eu. E é muito bacana ver que as marcas estão olhando pra gente e vendo potencial. Legal mesmo.

Navy again

Tô adorando essa moda navy. Acho phyno, acho sexy, acho que tem personalidade… então estou sempre de olho em peças listradas, brancas, vermelhas, azuis. E qual não foi a minha alegria ao encontrar essa blusinha listrada na Opção por 19,90? Fica a dica pra quem quer camisetas podrinhas: a liquidação da Opção está cheia delas, com precinhos que vão de 20 a 50 reais! Tá valendo!

.

.

.

Saia IND. Cinto Renner. Sapatilha Imporium. Blusinha listrada Opção. Colar ferdy.

Vocês também estão gostando desse estilinho, ou acham muito caricato?

P.S.: Eu amo com todas as minhas forças esse cinto, com fivelão exótico, que encontrei lá na Renner no inverno passado. Alguém tem dicas de onde encontrar outros nesse estilo? Valeu!

Look da semana (passada)

Semana passada eu precisei ir ao Correio para retirar uma comprinha do Strawberry (fui taxada pela 1ª vez! snif!) e depois fui dar um rolé pelo Centro.

O passeio não durou muito, estava com uma cistite braba, mas valeu por esse look aqui:

.

Esse vestido eu comprei lá no brechó da Senhorita Carolina. É da Maria Bonita Extra, então eu me sinto um ser meio sobrenatural quando estou usando – tudo lá é tão caro, meu Deus! – e ele também é jeans, e tem esse corte perfecto… sou apaixonada por ele! Mas confesso que só usei uma vez, pq achava que deixava meus braços meio gordinhos, sobrando aquela bordinha de catupiry…

.

.

Mas dane-se, né? Acho que a gente só vive uma vez.

.

.

Sandália “pele de dálmata” Imporium

Vestido Maria Bonita Extra

Bolsa Reebok comprada no Privalia

Colar ferdy

Óculos comprado na loja Tá na Moda (adorei o nome da loja!), fica na Sete de Setembro, foi baratinho, R$ 20.