A boa filha que à casa torna

Eu não sou a melhor das amigas ou a mais grudenta das filhas. Eu não fico ligando toda hora, aparecendo o tempo todo, e não é por gostar menos, é o #meujeitinho mesmo. Daí que semana passada meu pai me ligou dizendo que estava com saudades de mim, queria saber como eu estava e quando iria aparecer por lá. Também estava na maior saudade e não tinha me dado conta. Marcamos então um almoção bacana no fim de semana, com tudo que tem direito.

Minha mãe é mestre na cozinha. Ela é o tipo de pessoa que vai em um restaurante e come já analisando como reproduzir em casa. E não é que reproduz? Então acho que é por isso que a gente sempre comeu de tudo, pq minha mãe sempre experimentou fazer tudo. E, dessa vez, aproveitando as temperaturas mais amenas desses dias aqui no Rio (um clima entre 20 e 25ºC é o ideal no mundo pra mim), ela fez um mocotó.

Mocotó, minha gente.

Deixa eu te falar que amo comidas pesadas? Lembro que da última vez que visitei meus parentes no sul da Bahia não quis voltar. Eu adoro miúdos, buchadas, partes menos nobres, digamos assim. Então chegaria aos 100kg se morasse por lá, certamente.

Mas chega de falar de comida! O encontro em si foi ótimo. Meu irmão gêmeo, o Lucas, voltou de viagem e contou o que achou da sua 1ª visita à Europa (um dia eu ainda vou!), minha tia Alice também estava lá, então conversamos e rimos e comemos. E o meu look para um dia tão bom foi esse:

.

.

.

Reparem que a foto foi tirada com o celular, por isso a qualidade baixa. Reparem também que o flash deixou uma bola na foto. Encarei como uma aura, sabe?

.

Já sem aura 😦

.

Retoquei meu cabelo dia desses! Acho que merece até post devido a SUPER CAGADA que fiz em casa e precisei consertar no salão. Mas o saldo foi positivo! Mais detalhes a seguir!

.

Detalhe do colarzinho fofo e meio navy da Accessorize.

.

Saia Drops de Anis (antiiiiiga). Blusa listrada Zara. Blazer vintage comprado no Brechó do Casarão (Rua Hadock Lobo, 239. Tijuca). Mocassins Shoestock.

.

Para ler ouvindo: Daughter, do Pearl Jam.

Advertisements

Um fim de semana qualquer

Eu e o João estamos considerando fortemente a possibilidade de nos tornarmos sócios de um clube. O calor está chegando, nós não temos carro e seria bom ter uma piscina para refrescar. Além disso, perto da nossa casa tem um clube bem grande com uma série de atividades bacanas. Como eu não aguento mais academia (depois de dois meses estou desistindo e ficando só com o futiba uma ou duas vezes por semana) e estou cada vez mais gorda, pode ser uma boa. Apesar do preço absurdo do título – quase um título de nobreza, meu Deus! – estamos bastante inclinados a fechar.

Nesse fim de semana, estava fazendo um sol gostoso e fomos conhecer as dependências do clube – acabou não dando certo, a secretaria estava fechada – e depois almoçar. Eu fui assim:

;

Acho que essa é a única foto em que meus pés aparecem. João os cortou em todas! ahahahuaha

.

Pausa para falar sobre uma questão muito importante:

Você tem black? Tem cabelo crespo? Cacheado? Então vai saber do que eu vou falar: como usar chapéus?? Assim, uma vez, há um tempão, quando a Taís Araújo tinha black e apresentava o Superbonita, lembro que ela fez um programa sobre chapéus. E, em um determinado momento, ela prova os chapéus e fica linda, com os cachos saindo e adornando o rosto. (não encontrei o vídeo do programa!).

Daí que eu saí me achando a Taís Araújo, e voltei me achando o Bozo.

.

.

;

.

Acho que o melhor jeito para usar chapéu ainda é com o cabelo preso em um rabo… e vocês?

.

Beijos e bom finde!

.

Saia Opção (era um vestido). Cinto feito pela mãe de uma amiga. Tshirt Zara. Bolsa comprada na Feira de San Telmo, em Buenos Aires. Chapéu do Saara. Sandálias Imporium.

Semana da Equipment, 3º dia

Esse post pode ser meio embaraçoso, mas vamos lá: nesse dia eu tinha acabado e voltar do aniversário de uma amiga minha (Tê, um beijo!) no Bar do Adão, cujo ponto alto é o pastel. Então vejam bem: pastéis maravilhosos, chopes gelados, gente bacana. No meio da semana, né? Então nem preciso dizer que bebi direitinho e enchi a cara de pastel (o de feijão é ótimo! e o meu preferido é o francês, com camarão, catupiry e alho poró. nham.). Desta forma, as fotos desse 3º dia de blusas equipment (ou quase isso) estão meio… am…tortas.

;

Vocês também acham tudo muito engraçado quando bebem? Eu rio de tudo. E até tenho umas boas tiradas. Geralmente é a hora em que acho que posso beber eternamente – ledo engano, porque a fase seguinte é um sono profundo que me faz dormir em basicamente qualquer superfície, com qualquer música de fundo, luz… eu simplesmente apago. Meio vergonhoso.

.

.

.

e pra trabalhar amanhã, comofaz?

.

.

A camisa de hoje tem uns detalhes navy, e tinha uns botões forrados, mas não estavam completos. Comprei um jogo de botões liiindos, tipo perolazinhas, mas com uma cara de balinhas, e substitui. Fiquei com vontade de usar em cardiganzinhos e blusas que, com o tempo, perderam o seu encanto, sabe? Acho que trocar os botões é uma forma simples de customizar a sua roupa e dar uma cara diferente para ela.

Como não consigo pensar em outra coisa que não seja a combinação de navy com floral (obsessiva, eu?) achei que o look ficou bacana e elegante. Sem contar que a blusa é tão fina, mas tão fina, que não há santo que a amasse no decorrer do dia. **score!**

Tem mais gente misturando!

Hoje temos duas meninas criativas e econômicas misturando estampas!

.

.

A Louise, do Pobre Ousada (hahaha vocês me matam com esses nomes de blogs!), também se jogou no navy+floral (não tô dizendo que é A combinação da próxima estação?), e complementou com um colar lindo. Vou fazer a Ana Off e colocar os precinhos amigos das peças:

Camisa Navy 12,00; Saia/vestido floral 20,00; Sandália crysallis 10,00; Cinto Marisa 10,00; Colar e brinco feitos por ela mesma.
.
.
.
.
Essa linda é a Pam, que mora fora do Brasil (onde, Pam? esqueci de perguntar), e combinou pecinhas que custaram 3 euros cada! :O
.
Blusinha navy, cinto de couro vermelho e short preto com bolinha branca, tudo da H&M (o short é da H&M kids!!). O arco de lacinho tá difícil de ver, mas foi ela quem fez.
.
(Aliás, só eu amei a combinação de listrinhas com bolinhas? Viu que nem todo mundo precisa ser espetaculosa como a Lucy Laucht? hahaha)
.

E vocês, meninas, curtiram as nossas convidadas de hoje?

Topa misturar estampas comigo?

Hoje é a minha vez!

.

.

.

Saia Zipper-Zipper (em liqui!); blusa listrada Opção (precinhos amigos e blusinhas fofas, recomendo!); faixa de couro Maria Filó, Sapatilha Shoestock, bolsa Via Mia (antiga).

‘Bora analisar o meu look?

1 ::  Navy com floral é o crash de estampas da estação (em alguns casos, pode vir misturado na própria estampa das peças, como em um patchwork). Prepare-se! Você pode começar aos poucos, incluindo elementos náuticos em vestidos, saias e blusas floridas e românticas. Também vale tentar com listras menos contrastantes e tons pastéis;

2 :: O choque não é tão grande assim: o azul marinho e o branco da blusa são facilmente identificáveis na padronagem da saia, o que dá uma unidade ao conjunto;

3 :: Sapatilha, faixa na cintura (nova, da liqui da Maria Filó!) e bolsa em tons neutros (caramelo e gelo, sendo que a sapatilha é nude, já que eu também sou cor-de-caramelo, por assim dizer, hahaha). Também evitei colocar muitos colares ou anéis – mas nada é proibido não!

.

No cabelo eu fiz uma trança embutida pra combater o calor/oleosidade/bad hair day, olha:

.

.

Agora é com vocês, galera! Quem topa mandar uma foto de look combinando estampas? 

soshopaholic@gmail.com

Beijos!

Look Feliz = Look Navy

Eu estava muito feliz nesse dia. Primeiro pq consegui criar um look bem navy sem nenhuma peça listrada e praticamente nada de vermelho. Eu adoro navy, me sinto uma boneca, a combinação de cores é uma coisa meio francesa, super fina. Por isso eu garanto a minha felicidade toda vez que visto assim. Vocês também são assim? Ficam orgulhosas quando criam algo relativamente novo? Pode parecer bobagem, pode parecer bobo, mas olha eu toda feliz:

.

.

.

.

E o outro motivo da minha alegria:

Chegou meu filme do River Phoenix!

.

Eu não sei se todo mundo sabe, mas eu sou louca pelo River Phoenix. Eu nem vi tantos filmes dele assim (até pq infelizmente são poucos), mas tem algo nele que me deixa completamente apaixonada, viciada. É como uma aura mesmo. O namorado, nem preciso dizer, não curte muito. Mas acho que aprendeu a lidar com isso. Assim como aprendeu a lidar com o fato de que eu tenho a idade mental de uma garotinha de 14 anos. O fato é que por algum tempo fiquei vidrada no River, uma paixão muito louca, não conseguia parar de pensar. Depois baixou um pouco, mas ainda continua forte o desejo de ver todos os seus filmes, ler tudo sobre ele, essas coisas.

O filme que eu comprei, The Thing Called Love, de 1992,  foi um dos últimos filmes de sua carreira. É um romance, não sei se é açucarado, ainda não vi. Parece que ele estava na expectativa de voltar aos holofotes quando o fez, mas o filme não fez muito sucesso na bilheteria. Não me importa. Quando conseguir assistir (preciso de um momento, de um clima, sabe?), conto pra vocês.

Comprei no Ebay, já que não consegui em lugar nenhum no Brasil. O vendedor é esse aqui. Custou menos de R$30 o DVD + frete. Vale ressaltar que o DVD é área 1, então acho que só vou conseguir ver no computador.

.

No look: saia Riachuelo, blusa Renner, cinto Maria Filó, sapatilha Imporium, bolsa Totem.

Vocês tiram a sua inspiração daonde?

Outro dia uma menina me parou perguntando isso. De onde é que eu tiro ideias para os looks. Bom, olha a resposta bombástica: dos blogs! E das revistas! E da rua! E da vida! Na verdade, acho que quando a gente se interessa por um assunto, acho que fica muito fácil enxergá-lo em todos os lugares, né? Tipo quando a gente lê um livro muito bom e começa a ver poesia por todos os lados, mesmo nas pequenas coisas do cotidiano – isso acontece muito comigo! Aliás, tenho que fazer um post sobre o livro que estou lendo, falo já já – comigo é muito fácil ver ideias legais por aí.

Esse look de hoje foi totalmente inspirado em uma imagem que vi ilustrando um post da Oficina de Estilo:

.

,

O meu ficou assim:

.

.

.

Saia Drops de Anis. Camiseta Zara. Casaqueto sem marca. Oxfords Leeloo. Bolsa comprada no Ebay. Cinto Maria Filó.

.

E nos detalhes:

Brochinhos de cartas de baralho que ganhei de presente!

.

E vocês, meninas, onde buscam inspiração?

Não, eu não me canso

É que o navy me conquista pelo fato de transformar peças totalmente simples em uma composição lúdica.

Digo lúdica pq, mesmo quem não sabe o que é navy sente que tem uma unidade no visual, sabe? Olha e vê que você pensou nos detalhes… e nesse dia eu pensei nos detalhes:

.

.

A calça é de um azul marinho super fechado, quase preto. Aliás, preciso fazer um post sobre calças sociais, que eu particularmente detesto, mas aprendi a conviver. E essa, especificamente, é a minha melhor calça social, e eu só tenho que agradecer à Fêzinha por isso. Sim, pq ela me disse pra investir numa calça da Zara quando estive em São Paulo, mas na época nenhum modelo me vestiu bem. No entanto, mantive o conselho da amiga em mente e voltei na loja mês passado.

Para mim essa calça é perfeita porque valoriza o meu corpo: tenho coxas grossas, então não é tudo que veste bem. Ela fica certa sem ficar justa. Acho isso fundamental numa calça social – pq, alô meu povo do escritório, social não era pra ser algo elegante? – não marcar a buzanfs. Vamos combinar que no trabalho prefiro que avaliem o meu rendimento, o meu compromisso e outros aspectos, digamos, mais sérios que o tamanho da minha bunda. Grata.

Voltemos ao look:

.

e ainda é cintura alta! Amei!

Calça e Tshirt Zara. Cinto Soulier. Sapatilha Imporium. Bolsa comprada em Recife. Lenço da gaveta da minha mãe.

Eu amo laços!

Você deve ter pelo menos um: pode ser na sapatilha, na bolsa, numa blusinha. O fato é que os laços, lacinhos laçarotes estão em detalhes nas nossas roupas e acessórios já tem tempo. Mas, para quem adora laços, como eu, ainda é pouco. Como usar um lacinho na roupa e ainda assim se destacar na multidão? Simples, galere, o lance é customizar.

Há um tempão eu vi essa foto e a ideia começou a surgir:

.

Não é a coisa mais maravilhosa-feminina-navy e ao mesmo tempo simples? Tive uma pequena surtada e salvei a foto nos meus favoritos. Daí, dia desses, encontrei essa aqui:

.

Laço e renda! Hiperventilei na hora, o pessoal do trabalho ligou 190, os paramédicos chegaram e conseguiram me salvar. A emoção foi grande, gente, mas estou aqui, e ainda consegui salvar a bendita, coisa linda, na minha pastinha. O problema é que não lembro a fonte. #comolidar?

Então, tomada pela emoção, comecei a matutar aqui o look ideal. Como usar um laçarote desses no trabalho, uma coisa meio colegial, meio navy, totalmente maravilhosa? E o melhor: como elaborar esse look com as peças que eu tenho, sem recorrer à Renner? (Ana me twittou uma foto das peças navy da Renner e, Brasil, foi difícil não largar tudo e correr lá). Ainda estava com essa questã na mente quando vi essa montagem lá no blog da Julia Petit:

Lacinhos como gravatinhas!

Adorei a ideia. Achei que tem um tom preppy, arrumadinho, mas ao mesmo tempo, quantas você vê por aí? Então peguei esse vestido velho de guerra (que não precisa passar, é quentinho e sempre me salva nos dias de menos criatividade), coloquei uma blusinha de gola quaaase peter pan por baixo e improvisei o lacinho com uma fita de cetim larga. Para acompanhar, nada melhor do que a sapatilha bicolor.

.

.

.

.

Curtiram?

Vestido Lucidez. Blusinha de baixo sem marca. Bolsa presente da amiga Cat. Sapatilha Renner.

Quebrando o navy… ou não

Continuo sem câmera, meu povo, por isso vou me virando com algumas fotos antigas que encontrei aqui perdidas no computador.

Nesse dia (eu ainda estava loira) eu tinha encontrado (mais) uma blusa listrada da minha mãe. Dei os gritinhos de alegria de sempre, mas achei que a combinação listrado azul marinho e branco + vermelho já estava meio batidona, por isso resolvi fazer diferente, quebrar um pouco o look navy com alguns acessórios bem girlie: salto alto, blazer com carinhas de boneca e colar de bichinho.

.

.

.

.

Aproveito para mostrar mais um item da coleção Hey, Sailor!, da ferdy. É um cintinho com a fivela mais linda do mundo! Não sei se vocês concordam, mas me lembrou algas marinhas, conchas, o barulho do mar…

.

.

Para quem gostou do cinto e quiser encomendar, é só mandar um e-mail para ferdybijoux@gmail.com. (Atenção: quantidade limitada!)

.

Saia Drops de Anis. Blusa do armário da mãe. Blazer Lucidez. Cinto ferdy. Colar Paula Veloso.