Agora é sério!

.

O vídeo demorou, mas agora chegou! Mas opa! vocês já estão de saco cheio desse papo de turbante, né? Paciência, gente, eu tenho esses surtos quando gosto de alguma coisa, quero fuçar até saber tudo, depois volto ao normal. Espero que alguém ainda queira ver o vídeo depois de tanto suspense, haha

Mas antes, vamos entrar no clima? Para quem ainda não comprou essa ideia de turbante, pra quem acha que ninguém usa, encontrei uma musa espetaculosa para essa difícil arte de usar lenços enrolados na cabeça: June Ambrose, alguém já ouviu falar dela?

June Ambrose é uma das stylists mais poderosas dos EUA. Ela veste os astros do R&B em peso, incluindo o Jay Z, Puff Daddy (qual é o atual nome desse cara?? Não aguento), Missy Elliot, Mary J. Blige, Alicia Keys, Will Smith, Estelle… ufa, tá bom pra vocês? Sem contar que ela veste a Zoe Saldana, que sempre se supera em looks incríveis, num red carpet atrás do outro…. * Ai, ai * (suspira pensando que essa é a profissão dos seus sonhos). De volta ao mundo real: June Ambrose é isso tudo e ainda tem um site bacana de lifestyle, o Juniverse (vale a pena visitar). É essa moça aqui:

.

.

Daí que suas marcas registradas são o turbantão, que pode estar em um tom sóbrio como o da foto, ou em versões lindonas e estampadas; o batom vermelho (ou rosado) nos lábios e os óculos de armações poderosas. June é tudo, menos básica, e serve como inspiração pra quem acordou querendo colocar calça jeans e camiseta branca hoje:

.

.

As roupas, com exceção do look em color blocking, tem cores neutras, e ela capricha mesmo é na sobreposição. O forte pra mim, verdade seja dita, é o turbante.

Então, sem mais delongas, vamos ao vídeo dos turbantes usados nesse e neste post:

Advertisements

Segura que tem mais turbante!

O último post sobre turbante deu tanto o que falar (vários comentários, adorei!), que vocês me inspiraram a usá-lo mais uma vez. A amarração é a mesma, o que mudou foi a posição do lenço – dessa vez o super nó foi pra trás, e o resultado ficou menos espetaculoso. Usei dia desses para ir ao cinema com o João (as mina do Shopping Tijuca pira!), comer uma cebola no Outback e reclamar dos jovens falando alto ao nosso redor.

Ainda continuo na busca por brincos grandes, étnicos, inclusive comprei um na Accessorize muito lindo, num azul bem clarinho, vou postar aqui. Aliás, aceito dicas de vocês com lugares bacanas para encontrar modelos diferentes (sem esquecer que eu AMO uma feirinha, então podem sugerir que eu vou!) com preços amigos, que essa vida de assistente de produção tá uma pindaíba danada, ok? E queria comprar uma argola gigantona também, mas daquelas bem fininhas. Então, sem mais delongas, vamos ao turbante do dia!

.

.

.

.

.

A diferença desse para o que eu fiz no outro post é que eu fiz um coque e amarrei o lenço em volta dele. Colocando o coque assim de lado fica mais moderninho, mas nada impede de girar o coque pra trás, de repente funciona até pra cima, como aqueles coques donut, sabe? Tem que sentar na frente do espelho e experimentar o que fica mais bonito.

Aaaaaah, e antes que me perguntem, eu já respondo:

SIM!

Teremos vídeo com a amarração do turbante, oba! Já gravei e só falta editar (sendo que não sei fazer isso muito bem, mas whatevs, né). Vai ao ar na sexta-feira 🙂

♥♥♥ Momento Turbante ♥♥♥

Quando eu vi essa foto no Sartorialist, fiquei admirada. Achei de uma simplicidade encantadora. Pra mim, ficou bem claro quem usou quem aí: a moça usa o turbante, e não o contrário. Digo isso pq o turbante não é o centro do look: veja que a moça não teve medo de usar um vestido estampado, anelzinho, colar, cores, sabe? O lenço na cabeça ficou sendo só mais um acessório, entrou na composição como mais um elemento, como uma bolsa, um sapato, um colarzão. Veja que ela não teve medo de usar estampa no vestido, usar cor no cardigan. O conjunto ficou simples, mas tem todo um raciocínio por trás. Assim que é legal, né?

.

.

Então. Vocês já me viram arriscando um turbante aqui no blog. Mas foi uma amarração meio brother da periferia, meio quadra de basquete no Queens, meio negra-americana-que-usa-sneakers-por-cima-da-barra-do-jeans, meio… talvez eu esteja vendo muita TV ultimamente. Bom, voltando. Quis fazer um look com um lenço com mais classe, sabe? E aí deu no que deu:

.

.

.

.

Usei o look para ir ao cinema com o namorado na semana passada. Fomos ver “Gente Grande”, filme totalmente boboca com a Adam Sandler. Eu e o Namorado queríamos mais era ver o Chris Rock, mas acho que o cara foi subaproveitado no elenco, que tem também Kevin James,  Rob Schneider e David Spade. Mas tudo bem, rimos horrores e foi bom curtir um cineminha bem família no finde (era só crianças e famílias inteiras na platéia).

O cinema, como a maioria das salas no Rio de Janeiro, era dentro de Shopping (saudades dos cinemas da Praça Saens Pena… virou tudo Igreja Universal…), recebi alguns olhares. Poucos. Foi bom.

Sobre o turbante: Prendi o cabelo num coquinho não muito alto, apliquei um pouco do leite umidificador da Elsève e passei uma escovinha na raiz pra fugir do frizz. Depois, enrolei o lenço na cabeça sem muito critério, só me preocupando em colocar o nózinho para frente (acho que fica melhor assim). Pra manter o turbantinho no lugar, coloquei 2 grampos nas laterais do cabelo, acima das orelhas. Pronto!

Sobre a escolha do look: quis fazer como a moça e escolher um look sem medo. Parti para um vestido estampado mesmo, coloquei brinco grande mesmo, enfim, arrisquei mais do que daquela outra vez, em que coloquei o look mais básico possível.

.

O que vocês acharam?

Yo, brothaa!

Vocês sabem que eu adoro um lenço. Uso enrolado no pescoço, jogadinho… mas lenço no cabelo é uma das coisas mais modernosas e charmosas que tem pra mim. Toda vez que eu vejo alguém usando, acho puro amor – e vocês já viram como é difícil encontrar mulheres usando por aí? Infelizmente, quando a gente vê alguma moça usando,os principais motivos são dois: uma doença ou a hora da faxina. Ruim, né? E meio triste também.

Assim eu resolvi, esse fim de semana, ousar com um lenço na cabeça.

Ia encontrar com amigos meus de longa data – estudaram comigo desde a 5ª série, pelo menos. Outros já me conhecem desde os 7 anos de idade. Iamos bater papo, beber e rir no terraço da casa de um deles, à noite. O cenário seria perfeito: amigos, noite, por quê não ousar, não é mesmo? Tudo favorecia a tentativa.

Então eu fiz uma amarração que era pra ser uma coisa meio pinup, mas que, no final, acho que ficou meio os mano da periferia que curte um hip hop, certo?

.

.

,

.

Curtiram? Querem saber como fazer? Então, uooooooooooooopa:

Vai lá na Central de Vídeos!!!

(só eu tô adorando esse negócio de “Central de Vídeos?” uahuahuha)

 

Pra me ver, pra ouvir minha voz de criança, meu sotaque miguxo, ou apenas pra ver que raios de fundo creuzo e cheio de quinquilharias que eu arrumei pra fazer o vídeo, é só clicar!

.

P.S.: No fim da noite, depois de uns gorós, o lenço saiu um pouquinho. Aproveitei pra investir ainda mais no turbantismo!

Azamiga tudo gatchinha e eu mastigando um negócio (mas com uma elegâââância!)

Inverno dingão with style

Sabe como seria o meu look de inverno perfeito? Então. Teria uma vibe meio dingona (só eu chamo mendigo de “dingão?”), devido às muitas sobreposições, mas também superglamourosa, com peles (falsas, please!), meia calça de poás (ou de lacinhos, ou lisa, ou de corações) e botas. Aliás, preciso de uma bota preta de cavalaria tipo hoje.
 
Tô querendo roubar os looks completos da Catherine Baba (agora me pergunta quem é essa mulher? pergunta pra ver o que te acontece? joga no google, pq eu não sei! haha), incluindo o turbante baaaapho, que eu não faço nem ideia de praondevouassim:
 .

.

.
 
Beijomepassateutwitter, Catherine. Vamos marcar um chopp? (se bem que você me parece do tipo que bebe um vinho).

.

*Noooossa, como eu consigo VIVER sem um quimono desses???